quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

IBGE: crescimento das vendas do varejo em novembro foi impulsionado pelo desempenho da Black Friday

- IBGE: crescimento das vendas do varejo em novembro foi impulsionado pelo desempenho da Black Friday

As vendas do comércio varejista restrito cresceram 2,0% na passagem de outubro para novembro, excetuada a sazonalidade, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada ontem pelo IBGE. O resultado superou a nossa projeção e a mediana das expectativas do mercado, de altas de 0,4% e de 0,3%, respectivamente, de acordo com coleta da Bloomberg. Uma parcela da forte elevação na margem pode ser atribuída às vendas da Black Friday, com a antecipação de parte das compras de Natal. Na comparação interanual, houve queda de 3,5%, acumulando contração de 6,5% nos últimos doze meses. A expansão das vendas no período refletiu o avanço em cinco dos oito setores pesquisados, com destaque a alta de 0,9% na margem de hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, responsável por aproximadamente metade das vendas do comércio restrito. Diversos segmentos foram beneficiados pela Black Friday, como equipamentos de escritório, informática e comunicação e móveis e eletrodomésticos, com variações positivas de 4,3% e 2,1%, nessa ordem. Além disso, outros artigos de uso pessoal e doméstico apresentaram forte elevação de 7,2%. Em contrapartida, as vendas de tecidos, vestuário e calçados caíram 1,5%. Já o volume de vendas do comércio varejista ampliado, que também contempla os segmentos de veículos e materiais de construção, subiu 0,6% em relação a outubro, na série dessazonalizada. A alta mais modesta que a do varejo restrito foi explicada pelo declínio de 0,3% das vendas de veículos e motos, partes e peças. Já materiais de construção registraram elevação de 7,2% no período. Apesar do resultado positivo com as vendas do varejo em novembro, esperamos devolução do movimento em dezembro, diante da dissipação do efeito da Black Friday. Acreditamos que o enfraquecimento do mercado de trabalho, a desalavancagem das famílias e a perda de fôlego da confiança dos consumidores continuarão a impactar negativamente o consumo à frente. Assim, devemos ver nova contração do consumo das famílias no quarto trimestre, de cerca de 0,5% em relação aos três meses anteriores. Para o PIB total, atualizamos nossa projeção de -0,9% para -0,8%. Diante do crescimento do varejo em novembro e da relativa estabilidade da produção industrial, projetamos avanço de 0,2% do IBC-Br. Ressaltamos que o resultado do desempenho do setor de serviços, a ser divulgado nesta quinta-feira, ainda pode alterar nossa expectativa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário